R$40,00

Entregas para o CEP: Alterar CEP
Meios de envio
Nossa loja
  • Salvador Shopping - L 1Av. Tancredo Neves, 3133 - Caminho das Árvores, Salvador - BA, 41820-021 - Atendimento de Segunda à Domingo das 9:00 às 22:00
    Grátis
Descrição

Obra finalista do Prêmio Jabuti 2013, na categoria Juvenil“Meu avô se chamava Lau Rodrigues. Era ele o homem que sabia a hora de morrer”. Assim começa o surpreendente romance da escritora baiana Adelice Souza.O Homem que Sabia a Hora de Morrer (selo Escrituras), primeiro romance da autora, trata de um personagem audacioso, que confunde aurora com crepúsculos, que vendia banana e felicidade, que parecia um rei, mas que sabia, como os grandes filosóficos, que não se pode deixar a morte para depois. A morte faz parte da vida e é bom cuidar de uma coisa e outra enquanto é tempo.Affonso Romano de Sant’Anna, no texto das orelhas do livro, comenta que gosta “desse jeito de contar as coisas, que a Adelice tem. Parece que está narrando algo junto ao fogão de lenha, numa fazenda do interior, mas ao mesmo tempo está tratando de algo perturbador e fascinante (...) essa narrativa da menina encantada com o avô se mistura, no final, com a história de Odisseu e com as tradições baianas que apagam os limites entre a vida e a morte.”“Meu avô sabia rezar umas rezas que ninguém mais sabia. Não era rezadeiro nem curandeiro. Rezava para si. Não curava moléstia, nem quebranto, nem mau olhado. Rezava para falar com Deus. E a língua que usava nas rezas vinha dos mais variados lugares. Alguns diziam que, através dessas rezas, o meu avô ficou sabendo o dia de morrer. Um dia, eu pedi que me ensinasse. E ele disse que tudo era invenção do povo, que não sabia de nada, quem dera saber! Mais tarde, nesse mesmo dia, quando não havia ninguém por perto, ele me chamou baixinho e segredou que as rezas dele eram como qualquer outra, foram passadas de pai para filho e que, agora que eu ainda era criança, bastava pedir-lhe a bença antes de dormir e fazer uma oração qualquer a Deus, com as minhas palavras, que daria no mesmo. Então tudo começava com uma bênção?!” Trecho do livro O Homem que Sabia a Hora de Morrer, de Adelice Souza