Blog

Ruy Espinheira Filho lança O Sonho dos Anjos no Rio Vermelho

Os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos. No Evangelho de Mateus e no  novo livro de contos de Ruy Espinheira Filho, pelo menos. Em O Sonho dos Anjos – Contos Reunidos e Inéditos, obra que lança nesta quinta-feira, 29, o escritor  apresenta  contos inéditos (frutos de sua produção mais recente, e que estão no início do livro) e os já publicados, mais antigos (no final do livro).

O evento de lançamento  acontece a partir das 18 horas, na praça central do Mercado do Rio Vermelho. Nada incomum para Ruy, que já chegou a lançar livros em bares e que gostou muito da experiência.

A obra chega ao mercado editorial pela Caramurê Publicações, de Fernando Oberlaender, e  tem um mote especial: marca os 40 anos de publicação em livro de Ruy Espinheira Filho.

“O Sonho dos Anjos tem todos os contos que eu escrevi, é reunião do que fiz até agora. Ficou pronto em dezembro mas, por causa das festas de fim de ano, está sendo lançado agora, que é a  comemoração de meus 40 anos de livros publicados”.

No livro, estão presentes contos que falam de temas como solidão, infância e amor. O que fica evidente, entretanto, é que há um tema maior: a vida sendo contada.

“É sempre esse mesmo o tema dos contos, não  é outra coisa a não ser a vida. São textos que escrevi em diferentes momentos, então, cada um tem uma nota especial, cada qual tem uma peça própria. As temáticas são variadas, o importante é o tratamento. Acredito que amadureci como contista”, revela Ruy, que se tornou mais conhecido por sua poesia.

Em sua carreira, o autor também investiu em ensaio e romance. Foi experimentando, mas nem tudo vingou. “Nunca consegui escrever peça de teatro, por exemplo. Já tentei, mas não consegui. O conto aconteceu, mas sou um contista bissexto: só de vez em quando acontece. A poesia não, é mais frequente”.

Carreira

Com mais de 30 títulos publicados ao longo destes 40 anos, Ruy Espinheira Filho coleciona prêmios e indicações. Foi finalista de prêmios como Portugal Telecom, Jabuti e Bienal Nestlé, e conquistou o segundo lugar no Prêmio Rio de Literatura com o romance Ângelo Sobral Desce aos Infernos, de 1986.

Ele levou o segundo lugar do Prêmio Jabuti em 2006 com Elegia de Agosto e Outros Poemas, que ganhou ainda o prêmio da Academia Brasileira de Letras de Poesia e Menção Especial no Prêmio Cassiano Ricardo, da União Brasileira de Escritores do Rio de Janeiro (UBE/RJ).

Tanto reconhecimento não veio à toa: além da obra de qualidade, Ruy é escritor desde sempre, mais precisamente, da infância. “Desde pequeno eu escrevo. não é escolha não, não é opção:  é condição. É  a única maneira de conseguir viver, é como o pintor que tem que pintar,  como o dançarino que tem que dançar. O escritor tem que escrever, senão ele é um frustrado, vai viver  uma vida horrível”, diz Ruy.

Fonte: A Tarde